sábado, 12 de dezembro de 2009

Someday.

... See, alone we stand, together we fall apart
Yeah, I think I'll be alright
I'm working so I won't have to try so hard
Tables, they turn sometimes...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Dear, can't you see?
(...)
We're not enemies
we just desagree.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Curioso

Se não fosse pra pensar o que queria
se não fosse pra querer o que sentia
se não fosse pra sentir o que fazia
Será que ele parava
pra querer o que pensava
pra sentir o que jurava
pra fazer o que amava

Será o que amaria
o que julga ser aquilo que amava
se não fosse o que conhecia
de um jeito ou de outro
como o que achava que pensava

Em suma,
se fosse diferente
seria diferente
e se fosse diferente
não ia ser mais
a coisa desejada.

Sabe ou não sabe.
É ou não é.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

E que peça pregam essas coisas do amor

sempre chegando pra confundir

mostrando amor quando era dor

escondendo o amor quando era pra sentir

Amando louca quando a esperança já se foi

e resignando, rouca, quando se espera força

Fugindo cega da dor da partida

se jogando, boba, direto na forca

Doendo sempre a mesma ferida.
(A mesma ferida)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

We never change

I want to live life, and never be cruel
And I want to live life, and be good to you,
And I want to fly, and never come down,
And live my life, and have friends around

We never change, do we?
No, no.
We never learn, do we?
So I want to live in a wooden house

I want to live life, and always be true
And I want to live life, and be good to you,
And I want to fly, and never come down,
And live my life, and have friends around

We never change, do we?
No, no.
We never learn, do we?
So I want to live in a wooden house
But making more friends would be easy

Oh and I don't have a soul to save,
Yes and I sin every single day.

We never change, do we?
We never learn, do we?

So I want to live in a wooden house,
Making more friends would be easy,
I want to live where the sun comes out.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Scarface

Temos o início do século e a Lei Seca.
Gângsters italianos contrabandeando bebida, gerenciando prostíbulos, ostentando armas.
Essa época se tornou glamourosa, é divertido ver os mafiosos brigando por liderança, tiros, macheza, colhões.

É essa a diversão trazida pelo Scarface original, de 1932, enquanto o preto-e-branco atenua a crueldade, a inocência mascara os tiros e o sangue, e os cabelos curtos e frizados das moças nos transporta pra um mundo totalmente distante.
Se buscamos por barulho, frases de efeito e pompa, esse filme é perfeito.
Como um tempero especial, encontramos um sopro de complexidade na história, trazido por se basear na complexidade de uma vida real, a do célebre bandido siciliano Al Capone, mas que não conviu ser desenvolvida a fundo em 1 hora e meia de filme, aonde o barulho dos tiros, as frases de efeito e a pompa dos cabelos frisados eram o principal atrativo.
O resultado disso é que, assistindo o filme nos dias de hoje, nos deparamos com um gostinho de quero mais, um vazio em contradição com a qualidade do filme, e muitas interrogações no ar.

Esse vazio veio a ser suprido 50 anos depois, na refilmagem de Brian De Palma com Al Pacino carimbado com a cicatriz facial.
Pacino atende pelo mesmo prenome do gângster real, assim como também são homônimos os Tonys fictícios, o Camonte de 32 e o Montana de 83, mas vemos se tratarem de pessoas diferentes.
É interessante observar nesta ficção, como o contexto pode mudar a personalidade de alguém, ainda que contando-se a mesma história.
Somos transportados do preto-e-branco da década de 30, para o vermelho vivo dos anos 80. Tudo nesse novo Scarface é de um colorido vivo e macabro, assim como a música alegre e pulsante da época nos salta aos ouvidos numa batida frenética.

Temos barulho, temos frases de efeito e muita, mas muita pompa. Mas juntamos a eles um cenário atual, colorido, um enredo intricado, e complexas questões sociais e emocionais.
Os gângsters continuam gângsters, mafiosos, mas quando eles assumem a conotação de traficantes, a coisa não fica mais tão glamourosa.
A macheza italiana tem lá seu encanto, mas o comunismo cubano, o tráfico de drogas latino americano que marginaliza a população e reflete a pobreza nas Américas do Sul e Central não é tão divertido.
Podemos até torcer para que os bandidos levem um drink ou dois para os bares, já que nós memos poderíamos usufruir desse produto ilegal sem culpa, porém, certa culpa pode aparecer em ver as pessoas enchendo o nariz de pó sem parar.
O barulho dos tiros pode ser divertido, mas a violência explícita e o vermelho vivo do sangue traz uma diversão tanto mais chocante.
O preto-e-branco e o colorido, a Itália e a América Latina, a bebida e a cocaína, são muitos os contrastes resultantes da transposição da história de Al Capone para tempos mais recentes.

E é também resultado disso, desse novo contexto, a transformação na personalidade do personagem principal.
Um personagem em certa passagem chama Tony Monatana de caipira, e é mais ou menos o que ele é. Um caipira brutamontes, o baixinho revoltado com uma metralhadora na mão. Impulsivo por natureza e por influência das substâncias lícitas e ilícitas que consome, Tony Montana está sempre de cabeça quente, contando com a sorte para que seus atos dêem certo ou errado. E a estrutura de narrativa simples do filme deixa claro que tudo dá certo até o momento que dá tudo errado.
O grande mérito do enredo, é nos mostrar em detalhes o desenvolvimento das questões deixadas em aberto no filme de 32. E estão todas lá, esmiuçadas nas mais de 2 horas e meia de filme, ou simplesmente escancaradas na interpretação primorosa de Al Pacino. Conseguimos finalmente entender as motivações do personagem, e muito antes do final já conseguimos prevê-lo, sendo isso uma enorme vantagem, e não um demérito.
E graças ao talento de Brian De Palma, não perdemos por esperar uma sequência de desfechos memorável.

50 Anos separam os dois filmes, e do segundo já se vão quase 30. Recomendação máxima de ambos, percebendo o quanto se mudou no mundo e no cinema em 51 anos, e o quanto 27 anos não tiraram a atualidade chocante do Sacarface de Pacino.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Onde estarei eu que, muda, me calo, desacreditada de talento e inspiração, distante de métrica e simetria, de rima e melodia, irritadiça afogada na secura da fonte.
Deixando cá a cabeça estourada com palavras sufocadas, com prática desfigurada, padecendo amargurada a crise, ora momentânea, talvez eterna, como as palavras.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

a kind of magic

Ainda ontem vi esse ilusionista Ele dominava a arte de levitar Fazia gravitar moças hipnotizadas Em parques, hotéis e salas de estar A gente sabe tão bem que é ilusão Só que é mais difícil não acreditar...

É o mesmo quando o sinto Me vejo voando mais alto que céu Acreditando em cada palavra Cumprindo à risca meu papel.

Enfrentando, forte, o medo louco de cair Esperando, contente, que ele me segure Dominando a vertigem de cair em decepção Tentando duvidar ainda que jure.

Vi ontem um ilusionista
E ainda ontem vi um mágico
Um tentava enganar os olhos com ilusão
E o outro roubava com mágica meu coração...


(Esse tem um tempo...)

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Pra quem lembra.

E existem também aquelas pessoas
de memória sobrenatural
que tomam conhecimento que o tempo
não passa do jeito normal
Aquelas pessoas que não esquecem jamais
e com diversão podem observar
que os sentimentos simplesmente mudam
que não é somente lembrar

Mas são elas que são torturadas
quando o sentimento é feito pra ficar
pela mesma dor serem machucadas
todos os dias que dela lembrar
E todos os dias rir da mesma piada
e dia após dia chorar da mesma emoção
e nessa maldição estar sempre fadada
a lembrar porque ainda bate o seu coração.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Para Igor

E o coração continua batendo, que mistério
talvez pior, ainda mais forte.
Maltratado e ferido, chorando e doído
Mas resistente, compassado.
Tão forte pra bater por dois.
Fazer viver dois corpos, salvar
Coração porto seguro, âncora, bóia.
Esse coração resiste... a tudo... por tudo
por mim e por ti
Porque um faz o outro
Meu coração salva-vidas quer salvar o amor
Pois só o amor pode fazer viver o coração
Então o coração bate, em desespero
é pra se salvar, e te salvar
em busca do sentimento que é oxigênio
que faz viver o coração que é vida,
mas nossa vida, que só vive por nós.
Bate pelos dois, eu e você.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Serviço de quarto?

Traga-me lá uma toalha ou um pano
pode ser um lenço ou sua manga da camisa
Traga-me lá o que for pra enxugar de vez essas lágrimas
Que seja uma esponja que absorva
Que seja um ralo que escorra
Que seja uma torneira que feche
Que seja um sol que evapore
Seja como for, seque tudo de uma vez
Essa técnica de vencer pelo cansaço já não funcionou, e tanto já cansei!
Me traga cá uma prova de amor ou uma surpresa bonita
pode ser um carinho ou palavras verdadeiras
Me traga cá o que for pra espantar de vez esses medos
Que sejam braços que me segurem
Que seja boca que me beija
Que seja ato que me mostre
Que seja amor que me inspire
Seja como for, manda isso embora de uma vez
E pode ser pelo cansaço que funciona, mas por enquanto ainda não sei...

(27/04/2009, 10 da manhã)

terça-feira, 21 de abril de 2009

E, sim, está chovendo.

I'll never let you see
The way my broken heart is hurting in me
I've got my pride and I know how to hide
All my sorrow and pain
I'll do my crying in the rain

If I wait for stormy skies
You won't know the rain from the tears in my eyes
You'll never know that I still love you so
Only heartaches remain
I'll do my crying in the rain

Raindrops falling from heaven
Could never take away my misery
Since we're not together
I pray for stormy weather
To hide these tears I hope you'll never see

Someday, when my crying is done
I'm gonna wear a smile and walk in the sun
I may be a fool but 'till then
Darling, you'll never see me complain
I'll do my crying in the rain

Since we're not together
I pray for stormy weather
To hide these tears I hope you'll never see

Someday when my crying is done
I'm gonna wear a smile and walk in the sun
I may be a fool but till then
Darling, you never see me complain
I'll do my crying in the rain ...

terça-feira, 7 de abril de 2009

Ruas de Brotas

Isso porque havia um quê de poesia na senhora dentro do mini-carro nas ruas de Brotas.
Havia um quê de magia em seu chapéu de palha redondo cor de rosa, uma coisa meio bruxa.
Havia uma vontade de ser escrita e descrita que saía da mãozinha aliançada gorducha pedindo passagem.

Isso porque havia um ar de desmiolada, um quê qualquer de alucinada que vinha daquele chapéu e das roupas coloridas setentistas.
Havia um quê de maga patalógica na amiga preocupadamente intelectualizada no banco carona.
Havia todo um mantra silencioso no conjunto, saindo dos óculos fundo de garrafa e do adesivo do batman dizendo tchau.

Isso porque havia um quê de tempo parado, de câmera lenta, de nostalgia, havia um não sei o quê naquele gurgel mini meio verde água peculiarmente pilotado, que apesar da malandragem da motorista transloucada, me fez dar a passagem nas ruas de Brotas, e, aqui, escrever.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Brinde à guerra.

Das profundezas mais remotas
surgem as mais sombrias esperanças
Uma desconfiança generalizada
espelhada no sopro de querer aceitar
Medo de ignorar as vozes ecoantes
insistentes de iludir a precaução

O que é esperar em meio à guerra?
Erguer dentro de um interior devastado
a bandeira branca de novo?
Quando a luta maior já se reflete
na figura que surge (mais do que nunca)
ESPLENDOROSA!
sedenta de destruição.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Março.

Uma pincelada de cinza em meio ao azul do céu
Uma brisa mais amena em pleno sono sudoral
Uma rajada de chuva para o relógio da semana
E um forró com chocolate embala o rítmo da região
Nota-se a sutil inclinação
nessa cidade imutável
Olhos observadores que veem
passar uma após uma
O tempo das estações
a cura dos corações
Curado? Não, mas já não está tão mal
Começo a colar meu coração
nessa canção outonal.

(Tentando me adaptar à reforma)

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Coração

partido.

/Chan.

24/11/08 Manuela
Uma lady, uma dama, uma princesa.
Uma boneca, lindona, engraçada, divertida.
Uma amiga lá entre meus poucos queridos, muito querida, muito valiosa.
Horas muito perto, horas muito distante.
Ora amiga companheira, ora amiga na lembrança.
Às vezes mais querida do que presente, mas sempre amiga.
Amiga que adoro, e que quero sempre como amiga.
Amiga que pode contar sempre comigo... essa sua amiga te adora!
Um beijo de aniversário, Lelinha.
12/11/08 Ju
Essencial, indispensável, insubstituível.
Nunca vou abrir mão dessa amizade.
Altos e baixos, altas e pequeninas, espelhos... simplesmente é.
Ju, o doce, e eu, a ácida, amigas.
Hoje, aniversário dela, dia especial da pessoa mais especial.
Parabéns Ju, parabéns por ser quem você é, importante pra tanta gente, e eu entre as gentes.
Amo você, amiguinha mais inha, penso melhor de mim mesma sabendo que tenho uma amiga como você.
Feliz aniversário!
12/04/07 Vitor
Que coisa, meu depoimento não coube num só.
Qnd me empolgo, me empolgo!!!
Eu lembro da 1ª vez q conversei c China – foi numa aula d Ciência Política no 1º semestre da faculdade, e a discussão tb girou em torno do campo político (mas lógico q ele queria era saber alguma fofoca!!!)
N faz tanto tempo, n mais q dois anos, então pq parece q conheço essa figura há tempos, tlvz desde sempre? (Só uso clichês p falar a verdade)
Será Karma?
Será um desses mistérios da vida?
Tlvz seja, e na minha opinião é, uma AFINIDADE genuína, uma afeição natural.
China é um dos amigos mais dedicados e generosos q já conheci.
Uma pessoa única em gostos (maus gostos), em atitudes (curiosas, usando de eufemismo).
N vou dizer q fiquei surpresa c sua personalidade, em saber o qnt se pode confiar e contar c China, o qnt se pode divertir e rir c China, do q s pode conversar e desconversar c China. Isso td já se era d esperar.
O q eu n esperava era q China fosse ser MEU amigo.
Amigo q acima d td me orgulho d ter, pq é dos melhores.
Eu sei q nós temos afinidades, só n esperava ouvir isso d vc.
Sempre boas surpresas c esse Chinês.
Adoro esse Chinês.
Um bj.
13/01/06 Manuela
Oi, Lela, resolvi te deixar um depoimento, que legal!!!

Queria te dizer o quanto adorei te conhecer, ano passado.
Diante de todas as circunstancias, a que nos aproximou foi a mais inusitada: o futebol. (aliás, abafa o caso do resultado do jogo)

Mas o que resultou foi que eu encontrei uma pessoa maravilhosa, e numa época em que eu precisava de uma amiga do jeitinho que vc é:
animada, que sabe animar, alto astral, companheira,
e principalmente, alguém que se você conta um problema faz tudo parecer tão simples, tão fácil de resolver.
E o curioso é que vc não descomplica os SEUS problemas.

Queria muito que vc soubesse que gostaria de recompensar a força, e que vc pode contar comigo pra o que for.
Vc mudou meu jeito de falar, acabei pegando essas suas gírias sem noção (seu estilo é esse).

Enfim, você ilumina qualquer lugar com esse sorriso, com sua voz esganiçadinha, e essa beleza toda.

Adoro vc!!!! Um beijão!!!!
15/07/05 Ju
Oi Xu Fofinha!!!!

Vou te contar, viu, que menina boazinha e cativante!!!
É impressionante como vc consegue conquistar as pessoas,
seja com seu jeito meiguinho,
seja com suas opiniões e convicções (o cara do Neto's que o diga!),
conselhos,
problemas da vida,
toda sua vida (que é um livro aberto), sua empolgação em ouvir as coisas mais bestas e as mais importantes sempre com o maior interesse e o "Arhn!!" que dá mais emoção, hehe.
Enfim, tem muito mais coisa, mas no meu caso foi isso mesmo!
Sei que sou muitas vezes o oposto de vc e Manuela, e agradeço por vcs me aturarem tanto.
Te adoro!!!

Bjs
10/09/04 Eduardo
Duda, esse grande anão...
Daria um personagem de TV!!! Deviam dar uma Sitcom só pra ele, pra ele ficar ironizando, e contando suas piadas fantásticas!!! Você, grande LuiZ, é um desses caras que são O cara!!!
Adoro você, um dos maiores amigos que adquiri no prodigioso ano passado (trocadilho :D), e sempre.
26/08/04 Leonardo
Uma das pessoas mais incríveis que conheci... pense um cara que vive no mundo da lua! Mas muitas vezes acho que esse mundo da lua é muito melhor que o mundo da terra.
Te adoro Lolinho, vc é um gatinho! Apesar de tão branquinho. Tomando danoninho. No meio do caminho. Vá pela sombra!

Ju em 23/05/2008

Amiguinha linda do meu coraçao!
Talvez nao dê pra te ligar... pq estou viajando hoje pra Porto (vou encontrar meus pais)!
Mas, desde logo, quero que vc saiba que te desejo tudo de bom que ha nesse mundo!!! Muita sorte, saúde e amor no seu coraçao!!!
Sei que seu pezinho ta dodoi... mas, ainda assim, desejo que vc aproveite muito o seu niver... que vc tenha um dia MARAVILHOSO!!!
No proximo aniversário prometo te dar um abraço bem apertado e um presente bem lindo!
Te amo muito!!!! Morro de saudades de vc!!!
Bjoooosss

Marco em 10/03/2008

ENGAVETANDO
(Marquinho Valladares)

Organize suas dores em uma gaveta!
Separe-as por cor ou tamanho,
Pra ficar mais fácil de achar no escuro.
Use gaveta sem chave ou trinco.
Não sei se você sabe:
Não devemos trancar nenhum tipo de dor!
Depois que tudo estiver bem arrumado,
Escolha sua dor predileta e vista.
Saia com ela sem nenhum pudor.
Ande pelas ruas; vague à toa por aí...
Quando der vontade, pare e chore um pouco.
Prove o gosto de suas lágrimas;
Lembre-se do mar, da maresia.
Então, invente uma Lua cheia
Boiando no firmamento,
Pedindo-lhe uma bela serenata.
Cante aquela canção tão sua
Que você jurou nunca mais,
Jamais, de novo cantar.
Aí, sorria um sorriso sem motivo.
Sorria outro e sorria mais um.
Lá na hora que lhe der vontade,
Volte pra casa e guarde sua dor.
Mas coloque-a em outra gaveta!
Ela já não combina com as outras...
Desbotou!

Vitor em 16/12/2007

Lembro muito bem dessa aula de C. Política e foi inevitável não reparar que você era uma pessoa diferente (calma,
não foi pelo nome!). Veio logo
a minha cabeça: essa é o tipo de pessoa que vale a pena "trocar idéia". O tempo passou e mais conversas interessantes
e polêmicas vieram (inclusive por telefone) e o que era uma mera curiosidade tornou-se admiração. Admiração porque
pude ver por detrás dessas ações e condutas chandrianas (aparentemente loucas) uma garota engraçada (eu sei que você
discorda), culta e inteligente apareceu diante das conversas, festas... Foi algo positivo para mim também ter lhe conhecido, porque descobri
que consigo interagir com diversos tipos de pessoa e posso afirmar a você, chan, que é uma das mais singulares.
Pois é, sinta-se especial! :)
Uma pessoa que não tem medo de falar, que não se abala ao ser chamada de reacionária (os velhos rótulos)
pelo professor de Sociologia em plena sala de aula e de dizer aquelas verdades constrangedoras em que até o pobre chininha
acaba sobrano...heehhe
Uma garota que consegue decorar as falas dos vídeos da internet vendo-os apenas duas ou três vezes.
Como esquecer de você lembrando as falas do vídeo da Leocret ("ai, eu que costuro as minhas roupas"; "olha gente, ELA é um artista..."),
ou você pregando a menina pastora? hauhauhauha

Como esquecer também das suas risadas contagiantes com o "mama me olhando" e "boca de pelícia" em Itacimirim?

Depois diz que não é engraçada... :)

Então é isso, chan (me segurei p na escrever chadrinha... :P). Espero que tenha conseguido lhe emocionar e
feito você rir um pouco com esse singelo depoimento. :D

E não se esqueça. Se o bicho pegar, mantenha-se forte, pq se você estivesse numa guerra...

Beeeijo!

Manuela em 30/01/2006

Chandra é uma pessoa que está sempre a me surpreender. Não sei se só eu penso assim, mas em cada gesto seu ou em cada palavra há sempre a revelação de coisas novas. Geralmente são engraçadas e eu me divirto muito ao seu lado. Sua forma de falar, suas histórias que para mim são fascinantes, diferentes e engraçadas e principalmente suas músicas! Certamente nossa amizade caminhou mais rapidamente depois que a escutei cantar ´Preto Pobre` ( bem na época do futebol...}

E foi como mais um gesto surpreendente que vc me deu o presente das suas sábias palavras! Acredite que seu lugar já tá conquistado, adoro vc!

Um super beijo,
LeLa

Lina/ Eulina em 04/01/2006

Chandroca,nariz de pipoca.Deixou de ser a "minha pequena"? E;há muito q jah é mais séria q eu..."Amanhã é 23 ..." sua música filha!Discordo q não se pareça nada comigo.Pelo menos o "humor sarcástico"?A "tolerância zero"?Acho q sim ...mas a pose de princesa,com certeza é do seu pai (rs).
Quero desfazer aquele papo de fim de ano:
Dentro do meu ventre ={não sei de + nada,não sei como vai ser,mas sei q quero essa criança!} Sempre desejada.
Te olhando no berço =(mesmo em desespero) {vamos ser vc e eu,dane-se o resto!} Pode confiar;mamãe tá aqui.
Minha pequena ={não vou deixar de sair
prá te cobrar + tarde q faça o mesmo por mim} e Minha garota ={a vida é sua,quem perde e quem ganha é vc.Já vivi isso na minha vez}.Tentei te criar pro mundo e não prá mim.
Pré-adolescente =tiradas fantásticas, alto QI!Tentei equilibrar,baixar a sua bola pro nível das pessoas normais(rs)
Adolescente ="como eh q vou crescer s/ter c/quem me rebelar".Fui a escolhida!
Hj,me orgulho muito da mulher e da amiga q se tornou.Te amuuu!

Carol em 16/07/2005

Como é mesmo que vc diz?! "vá me conte tudo, desde o começo.", acho dificil fazer isso, 1° pq eu n sou uma escritora muito boa e 2° pq só me dão 1024 caracteres, o que é um tanto insuficiente pra contar tudo o que gosto, ou não, em vc!!! Acho que a gente já passou a algum tempo do estágio de melhores amigas pra melhores irmãs, né não?! Irmãs pq como fala Shakespeare: "E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você é na vida.E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.". E sim, nós somos muito amigas!! Quantas pessoas já nos disseram "Ah, isso não é amizade!!" ou "Ah, então ela não é sua amiga!!", e engraçado é que a gente nunca acreditou!!! Ainda bem, né? Acho que vc me cativou, "chandrinha" e lembre "Tu és responsável por quem cativas" (se lembra disso??)... Pois é, te adoro viu amiga!!! E entre namorados, amigas falsas, intrigas, amigos verdadeiros e corações partidos, sempre sobramos eu e você, você e eu!!! Bjossssss, Sua eterna amiga, irmã, ouvinte e falante!!! =)

Ju em 10/07/2005

Chandraaaaa.............!!!!!!!!!!!
Ainda não consegui entender como uma pessoa pode ser ao mesmo tempo tão doce, tão sincera e tão "revolucionária" AO MESMO TEMPO! (hehehe)
Foi muito bom conhecer vc e está sendo melhor ainda ter sua amizade...
Mas, na verdade, esse testeminial era pra dizer que eu ADORO MUITO vc!!! e que espero que nossa amizade dure ainda por muitos e muitos anos...!
Beijosssssssss
Ju

Rosa em 05/12/2004

Chander... embora passamos por uma fase difícil, eu ainda a amo. Como posso esquecer tudo que aconteceu para nos tornarmos parceiras depois de tantos "problemas" de afinidade? Ela é demais e qnd deslancha a cantar músicas, é capaz de transportar as pessoas p um mundo de magia e sonho (nossa!!!). Te adoro, Chander. Mesmo sendo pequena!

Eduardo em 12/08/2004

E como não se divertir com as loucuras de chandra? adoro conversar com ela, seja num barzinho, seja na fila do cinema, seja no msn.. é sempre mto divertido, assuntos sem nexo, ou com conteúdo riquíssimo, chandra é eclética, uma grande amiga!
bjaum

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Sobre velhas inspirações.

Serás uma dessas
gostando da rejeição

Apreciando a idéia
de servir de diversão

Será que não desejas
representar algo mais

Ouvir falar de amor
que dele se satisfaz

Contenta-se com a sina
de saciar o desejo

Tanto o seu quanto o dele
tanto do cheiro como do beijo

Aguentando em seguida
o peso amargo do 'não'

Serás uma dessas
gostando da rejeição?

Será que não lhe agrada
ouvir falar em saudade

Encarar esse estar
com aquela seriedade

Será que és usada
porque ousa também usar

Ou será que se sujeita
por sempre, demais, amar?

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Começo. Fim. E volta.

E tudo em minha volta é volta.

Vivendo em princípios que partem de um mesmo lugar,
final afinal levando ao princípio.
Volta.

Vivendo enfim em fins, mortes e depois vindas,
idas e depois vidas.
Volta.

Vivendo em dúvidas e em dívidas, pagando e deixando pra lá
anunciando certezas e zeros.
Volta.

Vivendo em estacas zeradas e zeros de esquerda. Sem iniciar o que não parou, sem deixar o que não se deixa.
Volta.

E se no fim das contas descobre que continua contando, é volta. Não é fim.